Artigos

Infelicidade

22 de janeiro de 2016

Imprimir   Enviar por e-mail

Manutenção dos juros pelo BC é a primeira das medidas que o governo anunciará na próxima semana para estimular a economia, mas que, na verdade, pode enterrar de vez o PIB

Quem ainda não se deu conta, pode anotar: a decisão do Banco Central de manter a taxa básica de juros (Selic) em 14,25% ao ano foi a primeira medida do pacote que a presidente Dilma Rousseff pretende anunciar no próximo dia 28, com a reinauguração do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão. O Palácio do Planalto acredita que juros estáveis, incentivos ao crédito, apoio à exportação e um programa de infraestrutura requentado vão seduzir o empresariado que nunca esteve tão desconfiado em relação ao governo.

Como bem define o professor João Luís Mascolo, da escola de negócios Insper, será o pacote da felicidade que, em pouco tempo, trará mais infelicidade ao país, por embutir todos os erros que levaram a economia a mergulhar na mais profunda recessão desde o início dos anos 1930. "Será o ressurgimento da velha nova matriz econômica", afirma. Para ele, é inconcebível que, diante de tudo o que se está vendo, com mais de 1,5 milhão de pessoas perdendo o emprego em 2015 e o dólar atingindo a maior cotação desde o Plano Real, o governo insista em cometer os mesmos erros.

O pacote de Dilma será a terceira versão daquele anunciado pelo então presidente Lula em 2008 e 2009, logo depois do estouro da crise mundial, focado no aumento do consumo e não dos investimentos produtivos, que estão em queda livre. Os incentivos à demanda foram tão fortes naquele período, que levaram o país a crescer 7,6% em 2010 e garantiram a eleição da petista apresentada como gerentona, o que, mais tarde, se mostrou uma falácia. Assim que tomou posse, Dilmareembalou as medidas, mas não obteve o sucesso de Lula. Colheu apenas recessão e inflação nas alturas.

De arrepiar

O histórico das intervenções de Dilma na economia é assustador. Ela conseguiu destruir todas as bases que sustentavam a estabilidade do país. O ajuste fiscal se transformou em desajuste. Por dois anos consecutivos, o país registrou deficit primário, mesmo com todas as manobras para esconder a gastança, entre elas, as pedaladas que quase lhe custaram o mandato. O sistema de metas de inflação virou obra de ficção. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrou 2015 em 10,67% e há o risco de se manter em dois dígitos por todo este ano. No câmbio, o Banco Central vem torrando bilhões de reais para conter uma alta mais forte da moeda norte-americana.

O governo também se tornou pródigo em destruir reputações. Em 2012, na sua cruzada contra os juros altos - um fiasco, ressalte-se -, Dilma obrigou o BC a reduzir a Selic ao menor nível da história, 7,25%, o que resultaria em taxa real (descontada a inflação) de 2% ao ano. A façanha durou apenas seis meses, mas foi tão desastrosa que nunca mais a autoridade monetária conseguiu convencer os agentes econômicos de que o combate à inflação era para valer.

A intervenção da petista no BC se repetiu nesta semana, quando o presidente da instituição, Alexandre Tombini, passou pelo vexame de soltar uma nota no dia da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) dizendo o contrário do que pregava havia dois meses. Mas não é só. Há a incompetência generalizada no governo. O caso mais sério é o do Ministério da Saúde, que não sabe como enfrentar uma praga, o Aedes Aegypti, que está destruindo o sonho de muitas famílias ao provocar a microcefalia por meio da zika.

Visão do atraso

Dilma e o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, acreditam que o pacote a ser anunciado na semana que vem será um sopro de renovação num país mergulhado no pessimismo. O mais certo, porém, é que as medidas apontadas como salvadoras só ampliem as incertezas. "Não veremos mais crédito nem a retomada do crescimento", diz o professor Mascolo. "Provavelmente, teremos mais inflação, mais desemprego e um tombo maior do Produto Interno Bruto (PIB)", acrescenta.

A bolha da felicidade, complementa o economista, só deverá agradar os integrantes do PT, que veem nas medidas populistas a redenção para garantir mais votos nas eleições municipais e enterrar de vez o processo de impeachment da presidente Dilma. Isso, para os petistas, é mais importante do que o controle da inflação e a arrumação das contas públicas. Eles acreditam que há exagero demais em relação à carestia e Estado foi feito para gastar.

"Esse tipo de pensamento só traz prejuízos. Os empresários continuarão reticentes e o que a economia mais precisa para voltar a crescer, os investimentos, se manterão travados", frisa Mascolo. Portanto, em vez de se deixar enganar por pacotes bem embalados, a população deve se preparar para o pior.

Alvo de piadas

» Alexandre Tombini virou motivo de piadas no mercado financeiro. Maldosos, os operadores não o perdoam por ter se curvado às pressões políticas. Também na Esplanada dos Ministérios, o presidente do BC foi massacrado.

Teoria da conspiração

» Há integrantes do mercado que associam a decisão do BC de manter os juros em 14,25% ao impeachment de Dilma. Acreditam que, depois de encerrado o processo, com a presidente livre, a taxa Selic voltará a subir, repetindo o que se viu logo após a reeleição.

Deus nos acuda

» Pelos cálculos de alguns economistas, diante da destruição da credibilidade do BC e das projeções maiores de inflação que estão por vir, a perspectiva de retração do PIB de 8% entre 2014 e 2016 já está ficando otimista.

Autor(es): Vicente Nunes

Fonte: Correio Braziliense

* Os artigos publicados refletem tão somente a opinião dos seus autores. Um dos objetivos do Portal dos Auditores-Fiscais é garantir o pluralismo de ideias, não se responsabilizando, em hipótese alguma, pelas opiniões expressas nos artigos.

Compartilhe

   
  Compartilhar no WhatsApp

Comente

Nome

E-mail

Localidade

Digite o código ao lado

código captcha

Comentário (máximo 1000 caracteres) | Restam: